O BOOM DOS FASHION FILMS E O TIRO DA LOEWE QUE SAIU PELA CULATRA

Adolescentes foram considerados fúteis na campanha da Loewe. O vídeo da campanha teve mais de 7 mil avaliações negativas, contra apenas 517, à favor.

Os editoriais de moda em forma de vídeo tornaram-se tão evidentes que as campanhas propriamente ditas, de diversas marcas, foram trabalhadas com esse mesmo tipo de linguagem, no desenvolvimento do seu material in motion. Todos querem ser como vírus, na web.

Mas, e quando o tiro, rumo à toda essa modernidade, sai pela culatra?

A grife espanhola Loewe sofreu uma avalanche de críticas quando, na tentativa de inovar, de fazer um update no seu target – como a Burberry fez há algum tempo, Louis Vuitton, etc -, trazendo um público mais jovem para a marca, resolveu sulcar mares ainda não navegados e: bola fora!

Meia dúzia de adolescentes ricos, passando uma imagem estereotipada, com preocupações irrelevantes sobre a vida, não ajudou a vender bem a imagem da marca, não…

Na sequência, confira alguns dos melhores vídeos da temporada verão 2012. E a conclusão do site Business of Fashion é de que existe uma “regrinha de ouro”, na hora de se produzir um fashion video e conseguir grande repercussão. Veja aí, se você concorda.

–  TER NO MÁXIMO 1 MINUTO E MEIO: A ideia é bem essa, passar o conteúdo de forma interessante, sem maiores delongas. O filme da Cartier é, com mais de 3 minutos, uma excessão à regra. Conseguiu 16 milhões de visualizações no youtube. Mas o enredo, em si, além do visual, é bom o bastante para prender a atenção do espectador.

CUSTO RELATIVAMENTE BAIXO: Elaborado como um desdobramento dos editoriais fotografados, esses conteúdos de vídeo aproveitam a mesma base de modelos, looks – ou seja, o mesmo styling é usado para foto e vídeo -, e todas as suas variáveis, desde cabelo, make e cenografia – barateando a produção. É aquela coisa, modelos fazendo uma dancinha (é só lembrar de Karen Elson e Raquel Zimmerman na Lanvin, passada) com uma música bacana, já resolvem bem o caso. A versão Lanvin, para essa temporada, você confere abaixo:

– TRILHA MARCANTE E PREFERENCIALMENTE INÉDITA: A base-mãe desses vídeos é a trilha. A label Kitsuné – que tem a grande vantagem de ser uma difusora de boas tracks e novos artistas – foi uma das pioneiras nos lookbooks de vídeo e, portanto, foi copiada por muitos. Hoje, saber escolher a trilha que vai permear os fashion filmes também garante sua viralização. T by Alexander Wang convidou Die Antwoord para “cantar” a sua nova coleção e deu nisso aí:

E o fofito da grife de Victoria Beckham, assinado por Quentin Jones, moderninho como os da Kitsuné:

Ou então, boa ideia é convidar o fotógrafo Steven Meisel ou o Nick Knight para produzir. :)

O da Prada, nessa primavera-verão 2012, é cria de Meisel é já é considerado um dos melhores. Nick Knight, que sempre assina os de Gareth Pugh, também nos dá um “tapa na cara”, em termos de criatividade.

Anúncios

One thought on “O BOOM DOS FASHION FILMS E O TIRO DA LOEWE QUE SAIU PELA CULATRA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s